4 Maneiras de se fazer Marketing Digital?

Existem inúmeras maneiras de se fazer marketing digital, formas tão comuns e/ou inovadoras que são utilizadas diariamente, desde métodos, estratégias e técnicas simples às mais elaboradas. Dentre tantas destas formas, algumas possuem maior destaque e são utilizadas com maior frequência. Vejamos:

1) Email Marketing

A definição não é tão complicada. Qualquer email enviado aos clientes ou potenciais consumidores, colaboradores, etc., pode ser considerado um email marketing, pois possui a finalidade de atingir seu público-alvo de maneira eficaz buscando atingir uma meta específica, e sei propósito está, normalmente, associado à venda ou compra de produto, atendimento, construção de um bom networking, a divulgação de uma marca (branding), buscando-se consolidar a empresa como uma entidade confiável e respeitável. Resumidamente, esta é uma ferramenta que busca iniciar, manter e/ou ampliar as relações de uma empresa com seus públicos-alvo.

Email Marketing é uma ferramenta barata e muito acessível, com um grande potencial para se atingir o público. Porém, pode ser considerado um sistema de marketing invasivo, ainda mais quando a ideia é captar novos clientes, pois sua aceitação depende muito da linguagem utilizada para se atingir às pessoas. Isso ocorre tanto com emails marketing que não possuam ou que possuam imagens anexadas. Para clientes antigos, por exemplo, este não seria um problema, ao contrário do que acontece com a prospecção de novos adeptos a empresa/produto. Cliques, visualizações, compartilhamento, etc., são meios de se analisar se esta ferramenta está sendo bem aceita pelos destinatários. Dentro do universo do Email Marketing, citamos três tipos abaixo:

e-mail-Marketing-(CORPAD)

1.1) Email Direto

São utilizados para se atingir pontualmente determinados clientes, anunciando promoções, novos produtos, novidades da empresa, entre outras informações pertinentes que possam ser enviadas diretamente e com estágios de intervalo, sendo utilizados para melhorar a comunicação direta de anúncios da empresa.

1.2) Mobile Email Marketing

Resumidamente, este formato de email possui conteúdo similar de email direto, por exemplo. Porém, são estudados e formulados de forma que se encaixem em layouts de aparelhos mobile, explorando melhor seu conteúdo e atingindo mais harmoniosamente os clientes. Isto se dá ao fato da crescente utilização de aparelhos mobile e smartphones pelas pessoas. Daí a necessidade de especialistas na produção destes conteúdos voltados a estes aparelhos.

1.3) Email Marketing Automatizados ou Transacionais

Este modelo de email marketing pretende atingir seus clientes de forma que seu conteúdo indique maiores comodidades em relação aos produtos, seja na compra ou para conhecimento de novos produtos, promoções, anúncios, etc., trabalhando o marketing da empresa de maneira que “eduque” o cliente, instruindo-o sobre as novidades e vantagens em determinados prazos: por isso são transacionais, pois fazem parte de campanhas específicas utilizadas para se manter vínculo entre empresas e seus clientes.

2) Redes Sociais

Desde a criação das primeiras redes sociais, percebeu-se o grande potencial de alcance do Marketing Digital, estando cada dia mais presentes na vida das pessoas e aproximando também as empresas de seus clientes e até colaboradores.

O que chama a atenção do Marketing Digital para as redes sociais é o número altíssimo de usuários na casa de centenas de milhões – um número tão expressivo que dificilmente uma empresa, sem as redes sociais, imaginaria atingir. Este alto número de usuários cria enormes possibilidades, inclusive para o Marketing de Relacionamento entre empresas e consumidores; além de que é um grande canal de divulgações tanto da marca quanto de seus produtos, promoções, atendimento, etc.

Porém, o Marketing Digital nas Redes Sociais deve ser muito bem analisado, começando-se pelo tipo de público-alvo. De nada adianta possuir milhares de seguidores no Facebook, por exemplo, se apenas uma parcela muito pequena destes seguidores são clientes ou consumidores em potencial. É preciso buscar e atingir as pessoas certas. O mesmo vale para o tipo de rede social: perfis mais profissionais – como gerentes, diretores, presidentes, etc. – comumente estão mais presentes e ativos em redes como o LinkedIn.

Tendo-se feito essa análise de quais redes e pessoas se pretende atingir, existem meios mais eficazes para se direcionar o Marketing Digital.

As redes sociais permitem compartilhamento de conteúdos entre inúmeros canais de comunicação, o que pode atrair mais fluxo para seu site, por exemplo, divulgando-se conteúdos de qualidade e relevância.

Outra forma interessante de controle é procurar manter sempre um horário fixo para publicações em suas redes sociais, já que cada uma possui um fluxo de pessoas online diferente da outra. Isso facilita o atingimento do público-alvo e também o controle de tráfego que pode ser analisado mais tarde pela empresa, avaliando respostas, por exemplo. O Facebook e o Twitter, por exemplo, possuem ferramentas próprias para isso, com informações bastante substanciais.

Porém, tudo isso deve ser feito com uma constante análise de suas publicações, com correções, reavaliações, controle de qualidade, planejamento, criatividade, etc. Do contrário, apenas publicar imagens, mensagens e postagens desconexas não atrairá um público cativo para seu negócio.

Otimização de Conversão (CRO – Conversion Rate Optimization)

O conceito de conversão é bastante simples. Basicamente, é transformar potenciais consumidores em consumidores reais.

Imagine sua loja física: muitas pessoas dentro do espaço da loja; mas, a maioria destas pessoas não são clientes, e estão “apenas olhando” (aqueles visitantes ocasionais), enquanto que outra parte deles são consumidores reais, clientes que consomem seus produtos há algum tempo ou começaram agora, mas são clientes. A conversão busca diminuir a quantidade de pessoas que apenas “ocupam o espaço”, transformando-os em consumidores/clientes.

Lead: Em Marketing Digital, este cliente em potencial, o consumidor ativo, é chamado de Lead. É a pessoa com quem a empresa mantém contato ofertando seus produtos e serviços buscando fechar negócio por um constante relacionamento, independentemente do canal utilizado. No cenário digital, os leads são também aqueles que manifestam interesse, clicando em promoções, visualizando divulgações e acessando as plataformas de uma empresa.

Utilizando o Marketing Digital, este serve como uma ponte entre empresa e consumidor/cliente, tornando este processo de conversão ainda mais eficiente, atraindo o público-alvo com novas oportunidades e agregando valor ao produto e sua marca por meio de um relacionamento de qualidade. O CRO, então, irá trabalhar para que estas taxas de conversão de clientes sejam cada vez mais reais e atenda melhor às necessidades da marca.

3) Marketing de conteúdo

De forma sucinta, Marketing de Conteúdo é uma ferramenta utilizada para “educar” pessoas, condicionando-os à uma ação específica, que, no caso de marcas, empresas, vendedores, etc., o foco está na efetivação da venda. Este conteúdo produzido serve tanto para promover a marca e seus produtos, quanto para fornecer às pessoas novas oportunidades de consumo por meio de ações focadas, inclusive de entretenimento que possam transformar potenciais consumidores em clientes.

Lembre-se de que o conteúdo fornecido, publicado, divulgado, etc., deve manter um bom critério de relacionamento, sendo coerente com a realidade da empresa e seus produtos e também com o público-alvo.

Qual é a importância do Marketing de Conteúdo?
Esta ferramenta tem muito a ver com o tipo de consumidor que se forma com a proximidade da Internet em suas vidas, tornando a relação empresa/cliente muito mais próxima sem a necessidade de um intermediário: como o caso de um vendedor direto, por exemplo.

Por conta da Internet e sua relação de mercado, torna-se muito mais fácil e direta a relação de ponta a ponta. As pessoas buscam diretamente as informações necessárias para saberem se querem ou não comprar, quais produtos gostariam, o que buscam em cada segmento, etc. E o Marketing de Conteúdo apresenta-lhes estas informações. A pesquisa de informações, preços, orçamentos, entre outras coisas, com o auxílio da Internet facilita no processo de compra, oferecendo uma grande quantidade de possibilidades.

Esta relação de proximidade não é apenas necessária para a consolidação da venda, e sim, para criar vínculo com seus clientes, agregando valor à empresa, à marca e seus produtos. Este processo de vínculo é importante para a criação de valores, pois as pessoas, clientes ou não, estão cada dia mais criteriosos e exigente quanto a empresas que trabalham questões de sustentabilidade. Para isso a importância do relacionamento para a criação de valores, por meio de conteúdos de relevância e significância.

O relacionamento é produtivo também em relação às soluções que sua empresa pode oferecer aos clientes, seja por prestação de serviço ou respostas às dúvidas quanto aos produtos, feedbacks, solução de problemas com compras e prazos, por exemplo, entre outras necessidades.

Este processo de relacionamento e qualidade na comunicação e no conteúdo disponibilizado favorece a empresa de modo que, quando uma pessoa pesquisar na Internet sobre determinado produto, provavelmente encontra a sua marca, sendo que os canais de comunicação já estarão praticamente abertos para que esta pessoa se torne um cliente, pois já possui informações sobre sua empresa, seus produtos, formas de atendimento, entre outros dados pertinentes.

Planejar suas pautas, manter um ritmo frequente quanto às publicações, otimizar seus textos e conteúdos para serem melhor encontrados e assimilado pelo Google, por exemplo, e realizar um conteúdo diversificado o suficiente para manter a atenção de seus clientes e para atrair novos consumidores.

Planejamento: textos específicos e coerentes que revelem toda a importância de sua empresa e produto de forma estratégica;

Frequência: é importante manter a frequência de suas publicações para que sua marca não caia no esquecimento, muitas vezes perdendo vínculo com seus clientes;

Otimização: utilização de técnicas de SEO para melhor pontuar seu endereço na Internet para que seja encontrada com mais facilidade pelos mecanismos de busca, utilizando-se palavras-chave;

Diversificação: vá além dos simples textos informativos. A utilização de imagens, gráficos, vídeos, podcasts, entre outras informações criativas auxiliam na criação de vínculo com seus clientes.

4) Marketing de Busca – SEM

Buscadores online são ferramentas tão antigas quanto a própria Internet – que também não é tão antiga assim – e ganharam o mundo ainda nos anos 2000. As funções se iniciaram com a busca por sites específicos, porém, ao longo da evolução da própria Internet e seus buscadores, os mesmos começaram a oferecer novas opções de busca: estas buscas se tornaram cada vez mais práticas. Para saber um pouco sobre o que é e como surgiu o marketing digital, clique aqui.

Dentre tantas ferramentas de busca, certamente o Google possui muito mais destaque e também oferece um navegador próprio, como o Bing da Microsoft, por exemplo, e trabalham com grande variedade de conteúdo e disponibilizam inúmeras ferramentas de análise, tanto interna quanto externas para empresas.

Por conta deste crescente e a popularidade dos buscadores online, nasceu o Marketing de Busca, se preocupando em analisar dados como quantidade de acessos, horários, quanto tempo as pessoas passavam em sites ou procurando endereços e informações específicas, entre outros dados de análise importantes para o empreendedorismo online.

As palavras-chave auxiliam no ranking para melhor pontuar um site, dando melhor ênfase nestas palavras que serão encontradas mais facilmente, tornando o site mais popular e posicionando-o nos primeiros resultados de pesquisa em seus buscadores. Por conta disso, estratégias de SEO são importantíssimas para um bom desempenho do Marketing Digital.

SEO on page: Tudo o que acontece dentro de um site como estratégia de otimização, “otimizações on page”.

SEO off page: Todas as estratégias relacionadas com o site, mas, criadas e executadas fora da página, como o uso de link buinding para atrair fluxo para um site em questão.